Euzebio de Souza, o Gigante, e o Presidente do CBH, Almir Caixeta

Euzebio de Souza, o Gigante, e o Presidente do CBH, Almir Caixeta

Gigante no apelido e na história de vida. Euzebio de Souza, chamado carinhosamente de Gigante pelos amigos do Clube Belo Horizonte, completou 91 anos este mês, e partilhou conosco um pouco de sua história.

Natural de Curvelo, residente em Belo Horizonte desde 1952, é casado com Maria Geralda Oliva de Souza, pai de Euzelia e Ronaldo e avô de dois jovens, Letícia (21) e Rodrigo (21). Sofreu um AVC há pouco tempo e conta que suas mãos não respondem muito bem, mas tem melhorado com a fisioterapia, e que sua esposa tem Alzheimer e, por isso, sua filha cuida dele.

De fala mansa, conta que gosta de cantar e tocar violão, que já ganhou medalhas de ouro e bronze no voleibol, em 1999 pelo Sesc, e que costumava nadar. Mas gosta mesmo é de jogar sinuca no CBH.

 

Euzebio de Souza, o Gigante

“Minha mão esquerda tem uma certa dificuldade, mas eu jogo assim mesmo”, conta, se referindo ao esporte que lhe rendeu o apelido de Gigante. “Um dia, eu cheguei pra jogar e falaram: ‘Oh, o Gigante chegando aí’. Ficou até hoje. Se você perguntar quem é o Euzébio quase ninguém conhece, mas Gigante sim”, conta.

“O Gigante é um grande colega nosso aqui do clube, assíduo na sinuca, uma ótima pessoa, amigo de todo mundo e um grande professor na nossa brincadeira do dia a dia”, diz Luiz Magalhães que joga com ele.

Euzebio de Souza, o Gigante, e Luiz Magalhães em uma partida de sinuca

Euzebio de Souza, o Gigante, e Luiz Magalhães em uma partida de sinuca

“Frequento o clube toda quarta e todo sábado de manhã. Esse é um dos melhores clubes que tem, ambiente muito bom, a turma toda é muito bacana, são gente muito boa Mas eu sou do tempo que o Clube Belo Horizonte era na rua da Bahia. Tenho muitas histórias que me marcaram. Eu ia lá pra dançar. Naquela época não tinha assalto nas ruas, hoje está perigosíssimo né?”, conta.

Euzelia de Souza, filha do Gigante, se lembra bem: “Ele e minha mãe frequentavam o Clube Belo Horizonte quando era no centro da cidade, na época do namoro. Quando vim para a Capital e vi que a sede da Pampulha, localização maravilhosa, comprei a cota”.

Euzebio e sua filha

Euzelia se orgulha em como o pai é ativo: “Ele está com 91 anos e é a pessoa mais dinâmica que eu já vi. Gosta de todo mundo, é super alegre e cheio de vida. Temos que ter cuidado porque, sendo tão dinâmico e ativo, é difícil de segurá-lo e fazê-lo entender que está envelhecendo. A idade vai chegando e pessoas muito ativas como ele não conseguem acompanhar muito bem esta situação. O que ele mais gosta de fazer é vir para o Clube ou passear nas fazendas dos irmãos dele em Curvelo. Então, eu sempre o trago. Ele vem para o Clube pelo menos duas vezes por semana”.

Ao lado da filha, Gigante faz questão de agradecer a todos do Clube Belo Horizonte, destacando os diretores Carlão e Almir: “Quero fazer um agradecimento por terem sempre me apoiado”.

Euzelio e seu amigo Beto

Euzebio e seu amigo Beto

 

Euzebio e seu amigo Chico

Euzebio e seu amigo Chico